Compulsão Alimentar

Compulsão Alimentar

A compulsão alimentar se caracteriza pelo desejo constante de comer, sem que haja nenhuma saciedade duradoura. Quando o indivíduo sente o desejo de comer, se não o fizer começa a passar mal, sentindo fraqueza, tremores, aumento da sudorese e dor de cabeça. Após alimentar-se, o indivíduo irá se sentir aliviado por um curto período, logo seguido pelo sentimento de culpa.

A compulsão alimentar é causada por uma falha em todo o sistema que freia os instintos do indivíduo. A falha ocorre tanto por desequilíbrio químico quanto por perversão comportamental, isto é: ocorre um desequilíbrio hormonal relacionado à serotonina, dopamina e grelina. Soma-se a isso o fato do indivíduo ter uma predisposição a direcionar sua atenção à comida.

Algumas doenças estão diretamente relacionadas à compulsão alimentar. A obesidade, a hipertensão arterial, o diabetes e o agravamento da lipodistrofia (gordura localizada) são as mais comuns. Além disso, a compulsão alimentar predispõe ao aumento das doenças inflamatórias, como a aterosclerose, infarto e AVCs.

Não existe uma faixa etária específica em que se desenvolve a compulsão alimentar. Na verdade, a partir da primeira infância já dá para perceber se a criança tem predileção por comida; mas é na adolescência que é mais frequente o surgimento das compulsões. A compulsão surge após um evento que serve como gatilho emocional, por exemplo: vestibular, casamento, desentendimento com os familiares, luto.

O tratamento da compulsão alimentar é feito através de três medidas:

  • Conscientizar o paciente do problema através de atendimento médico e/ou psicoterapia;
  • Equilibrar todo o organismo do indivíduo para ajudá-lo na principal superação, a obtenção da saciedade. Isto é feito através de medicação, reposição hormonal e reeducação alimentar;
  • Manutenção do tratamento. Assim como a depressão, o tempo de manutenção do tratamento da compulsão alimentar também é longo, porque há um grande risco do transtorno voltar. A compulsão alimentar é um transtorno que tem que ser levado a sério como a depressão grave, visto que põe em risco a vida do portador.

Identificar um portador de compulsão alimentar é fácil: são pessoas que comem por um tempo prolongado e nunca estão saciadas. Eles não costumam comer muito às refeições, mas passam o dia comendo e mastigando. São geralmente irrequietos e nervosos estando sempre acima do peso e com baixa de imunidade.

Às vezes o compulsivo come o dia todo. Outras vezes, só a partir de um determinado horário. Para as mulheres é mais frequente o aumento do apetite a partir das 16h e para os homens a partir das 20h.

O principal problema do indivíduo que sofre com a compulsão é a negação. Eles costumam dizer que comem pouco ou que engordam porque são doentes. É preciso encarar o comportamento alimentar deles como se encara o alcoolismo, como um vício. Assim como o alcoolismo, existem vários tratamentos que dão certo, mas o principal responsável pelo sucesso é o paciente e sua vontade de querer obter cura.

O meu conselho para aqueles que sofrem de compulsão alimentar é lembrá-los de que não estão sozinhos. Todos temos compulsões, algumas perceptíveis, outras não. O que nos diferencia é a forma como as controlamos e a importância que damos a nós mesmos e a quem amamos. Lembre-se: coragem é apenas sinônimo de necessidade.

 


Foto: Gerrit Prenger

Comments

  1. Mariza Brandão says:

    Dra.

    Assisti, ontem (03/02/2o12), sua participação no programa “Mulheres” da TV. Gazeta. Fiquei muito interessada na sua visão de determinados problemas (hormonios e stress), dos quais , no momento, estou “passando” por eles. Gostaria imensamente de conversar pessaolmente com a sra.Solicito o endereço de sua clinica, assim como o seu telefone,

    Desde já, meus agradecimentos

    Mariza Brandão

    • Dra. Isabela says:

      Olá,
      Basta clicar no link “Contato” no menu superior. Lá estão as informações da clínica onde atendo.
      Obrigada pela audiência e interesse.

  2. Gislene de Souza says:

    Oi Dr Isabela, assisto sempre o programa mulheres quando vc participa, essa última participação me deixou muito animada por causa do hormônio cortisol, me interessei muito. E hoje lendo esse Artigo sobre compulsão alimentar me identifiquei rapidamente, tenho compulsão e preciso de ajuda.
    A mais ou menos dois anos atrás estava decidida a fazer a cirurgia bariátrica, pois estava com mais de 170 kgs, após a morte de uma grande amiga que fez a cirurgia e faleceu por complicações acabei desistido e com a ajuda de uma médica endocrinologista emagreci 50 kgs , tomei fluoxetina pra ansiedade e garcínia camboja para perder a vontade de comer doces, mas na verdade o que me fez emagrecer foi a minha alimentação mudei tudo, parei de comer frituras, refrigeirantes, mudei tudo para o integral,e o número de calorias 1.500 calorias diarias e caminhadas. Então tava tudo muito bom aí não consegui mais ir a médica por falta de dinheiro, tive problemas com uma filha e acabei desistindo de mim de cuidar da minha alimentação, recuperei 10 quilos e me vejo comendo tudo o que estiver pela frente. A medicina ortomolecular pode me ajudar , mesmo sabendo que tudo depende de mim?

    • Dra. Isabela says:

      Seu comentario foi muito pertinente,pois é uma coisas bem comum de acontecer. A ortomolecular pode ajudar muito nestes casos pq podem haver fatoes fisiológicos para sua compulsão como um desequilibrio de serotonina ou de cortisol e uma alimentação mais voltada para as necessidades nutricionais especiais dos compulsivos.
      Precisarei seber muito mais de vc para trata-la com competência,mas isso fica para o consultório.
      Abraços, isabela.

Comente aqui

*